MARINA

Má li esse poema umas dez vezes. Foi a coisa mais bonita que já fiz. Andei trocando umas palavras, corrigindo vou mandar de novo prá vc montar um slide vou mandar imprimir e mando p/ vc pelo correio MARINA No ambiente amplo Paredes brancas, Iluminado por uma Réstia de luz Qu’escapava esguia Por cortina balouçante, Uma marina deslumbrante, Com mares azuis, tal Olhos de uma diva. O píer branco qual Espumas das ondas O conjunto enfeitando. Barcos que partiam E chegavam Se quem ia ou voltava Não sei se ria Ou só chorava. Ah! como amava Esta marina que, De amor minha Vida povoava 22.03.09 LUIZ BOSCO SARDINHA MACHADO ........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ QUEM SOU EU MARINA SILVEIRA- PROFESSORA, TECNÓLOGA AMBIENTAL E ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

sexta-feira, 2 de abril de 2010

A CAIXA DE PANDORA COLUNA DO SARDINHA



Quando a Petrobras nasceu nos idos da década de ’50 do século passado, pelas mãos de Getulio Vargas, seus ideais eram puros, singelos e patrióticos.

Seu fundador tinha em mente, apenas suprir a demanda por combustível, que à época era todo importado e vigia no país com grande força nossa velha conhecida a “teoria do subjugo nacional”. As “sete irmãs” que monopolizavam a produção e distribuição do petróleo mundial usavam todos os expedientes possíveis, lícitos ou não, para difundir a idéia de que neste país continente “Deus tudo colocara, menos petróleo”. E lá íamos nós dar lucro para as sete irmãs.

Essa afirmativa de que não tínhamos petróleo era em parte válida, pois nossas reservas conhecidas estavam no Recôncavo Baiano e eram incipientes e produziam só óleo pesado.

Ainda não se tinha tecnologia para a exploração de petróleo em mar aberto, que só surgiria na década de ’70.

O início da produção nas plataformas marítimas marcou uma nova fase para a estatal e como no mar, além de peixe há também polvo, a estatal esparramou seus tentáculos por áreas nunca dantes imaginadas, tornando-se um fim em si mesma.

Virou “República da Petrobras”, abrigo para “General de pijama” e muitos outros epítetos e ganhou também uma blindagem que a coloca acima da lei. Para ter-se uma idéia há mais de vinte anos a sociedade civil e o próprio Congresso tenta em vão obrigar a empresa a revelar a estrutura, a composição do preço dos combustíveis, segredo tão bem guardado, que talvez nem ela saiba, prevalecendo o “chutômetro”, que lhe dá a primazia de fornecer um dos mais caros e piores combustíveis do mundo.

No governo Lula, a Petrobras além do já dito, livrou-se de uma incômoda Comissão Parlamentar de Inquérito e da auditoria do Tribunal de Contas da União que pretendia investigar o super-faturamento nos gastos com a construção de refinarias da empresa e outras coisinhas mais.

Neste 2.010 o uso político da Petrobras pelo governo Lula está sendo descaradamente vergonhoso e duma forma como já mais se viu.

É inconteste que deve haver petróleo no pré-sal, como também deve haver metais preciosos nas galáxias. Só que para conseguir um e outro depende de várias coisas.

Já que os minerais das galáxias estão fora de circulação, tratemos só do petróleo: a discussão da partilha dos royalties, em que envolveram-se estados e municípios, que redundou em uma passeata totalmente financiada por dinheiro público, foi simplesmente forjada de olho nas eleições presidenciais. Todos interessados em partilhar expectativas, pois petróleo mesmo, talvez em 2020, se o governo dispuser dos bilhões necessários para extrair o ouro negro do fundo do mar.

Até lá quem sabe, o futuro presidente, que por certo não será Luiz Inácio, pode chegar à singela e responsável conclusão de que o petróleo a ser retirado custará tão caro, que estará muito mais bem guardado no fundo do mar, como o minério das galáxias, aguardando oportunidade outra para ser explorado.

Seria assaz produtivo que a Petrobras apresentasse uma honesta planilha de custos da produção atual e um gráfico comparativo entre os diversos países produtores. E tomasse a mesma providência com relação à projeção para 2.020, talvez chegasse à conclusão, que neste mesmo momento nosso petróleo está fora da realidade internacional.

Agindo com honestidade, talvez Lula arranjasse os bilhões de reais necessários para que a aventura megalomaníaca do pré-sal saísse do papel e sobraria tempo, ainda, para questionarmos a necessidade da Petrobras ir buscar petróleo à sete quilômetros no fundo mar, enquanto que o multibilionário e insuspeitissimo Eike Batista usando bola de cristal tecnológica, encontra o mesmo a cento e cincoenta metros de profundidade na bacia de Santos.

Mas a diferença crucial entre Lula e Eike é que o primeiro não sabe respeitar o dinheiro público e o segundo sabe como usá-lo em seu beneficio.

Luiz Bosco Sardinha Machado



Um comentário:

Francisco disse...

amigo luis , este artigo e um alerta sobre como nos desconhecemos esta estatal e como sao manipulados suas noticias aos brasileiros , quanto ao eike batista , recebe informaçoes privilegiadas sobre seus negocios (mineraçao e extraçao de petroleo )
aumentando seus lucros . abraços
netto