MARINA

Má li esse poema umas dez vezes. Foi a coisa mais bonita que já fiz. Andei trocando umas palavras, corrigindo vou mandar de novo prá vc montar um slide vou mandar imprimir e mando p/ vc pelo correio MARINA No ambiente amplo Paredes brancas, Iluminado por uma Réstia de luz Qu’escapava esguia Por cortina balouçante, Uma marina deslumbrante, Com mares azuis, tal Olhos de uma diva. O píer branco qual Espumas das ondas O conjunto enfeitando. Barcos que partiam E chegavam Se quem ia ou voltava Não sei se ria Ou só chorava. Ah! como amava Esta marina que, De amor minha Vida povoava 22.03.09 LUIZ BOSCO SARDINHA MACHADO ........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ QUEM SOU EU MARINA SILVEIRA- PROFESSORA, TECNÓLOGA AMBIENTAL E ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL

terça-feira, 12 de janeiro de 2010

CHILIQUES DA ALA RASA E BURRA DA ESQUERDA

 Questionando a Comissão Nacional da Verdade.


Dedicado a Mário Bortolotto, que se recuperou, e a Luis Fernando Verissimo, que pede, em sua última crônica, para que escrevamos sempre como propõe uma personagem de Nabokov, “à beira da paródia, mas tendo do outro lado um abismo de seriedade”, e eu não sei como fazer isso.
clic em mais informações para ler o restante

A ala rasa e burra da esquerda --- mais de 99% da esquerda mundial --- sofre de hidrobidelite crônica, mal que consiste num estranho desvio do intestino grosso para o cérebro, que provoca séria avaria seguida de chiliques e frequentes perdas da razão. O último sinal dessa avaria foi a idéia da criação da Comissão Nacional da Verdade para investigar crimes e torturas cometidos pela ditadura militar.
A esquerda séria e preparada (esse um por cento que restou) sabe que as individualidades não têm nenhuma responsabilidade pelos crimes que cometem. Que elas são apenas executoras dos crimes, nunca as mandantes. Que o real culpado é sempre um complexo de processos que acaba, no final das contas, incriminando toda a sociabilidade, seja qual for o crime, e isto vale até para os casos mais extremos, como de Hitler e Stalin.
Está claro que uma comissão como a ‘Nacional da Verdade’ obviamente só apontará, como culpados, quatro ou cinco militares que muito provavelmente já morreram. Ou seja, acabará sobrando para um cabo famélico perdido na Amazônia ou para um general aposentado que cria galinhas no interior do Rio Grande do Sul. E as verdadeiras causas da tortura e dos crimes da ditadura militar permanecerão veladas e impunes.
 A Alemanha dos anos de 1930 e 40, Hitler tinha apoio da esmagadora maioria da população, inclusive da burguesia local. Por pensar como Hitler, o alemão clamava por um salvador semelhante a ele, para que fizesse tudo o que fez. Não fosse com Hitler, seria com outro, menos cruel, talvez, ou provavelmente mais sanguinário. Ou seja, seria com um Hitler de outras feições, mais bonito ou mais feio, mais cruel ou menos.
Hitler estava apenas atendendo a chamado popular de uma Alemanha que, por ter chegado tardiamente ao capitalismo, encontrava-se mergulhada no atraso. Vinha de grandes humilhações, sobretudo depois da Primeira Guerra Mundial. Os germânicos, que haviam nos brindado com Beethoven, Mozart, Kant, Hegel e tantos outros de quem se orgulhavam, eram vistos como o lixo da Europa. Sua população, em crise de identidade, não se conformava nem aceitava isso. A primeira liderança que surgiu prometendo reerguer o país, e restaurar no alemão sua combalida autoestima, recebeu apoio incondicional e irrestrito.
Também as nossas instituições e a maioria silenciosa brasileira, formada pela classe média e pelas faixas mais pobres, apoiou o Golpe de 64, desde a Liga das Senhoras Católicas até a mídia em geral. Jornais como o Estadão apoiaram o Golpe e, como a Folha, foram também cúmplices depois, na censura e na tortura. Tudo isso evidentemente permaneceria impune com a Comissão Nacional da Verdade.
Ora, quem menos pode responder pelo crime de tortura é a individualidade do torturador. O carrasco que corta a cabeça com o machado não é culpado de nada. Toda tortura é urdida na sociabilidade, e pela sociabilidade, em meio a situações concretamente definidas. Invariavelmente, a tortura remete a toda a história da humanidade.
Outro dia, imaginei nova versão para Sherlock Holmes (não vi ainda a recente, com Downey Jr.). Ele e Watson, já de cara, à la Hitchcock, descobrem quem é o assassino. Ao persegui-lo para prendê-lo, os dois vão aos poucos descobrindo as raízes do criminoso, sua história, até perceber que, tendo passado pelo que passou (todos os tipos de abuso e violência na infância e adolescência), o assassino só poderia ter-se tornado o que é.
Isto os leva a simpatizar e, até mesmo, a se apaixonar por ele, como fez Truman Capote com o homicida de A Sangue Frio. Por fim, após terem desvendado o verdadeiro criminoso (a sociabilidade), Holmes e Watson começam a disputar, enciumados, o amor do assassino, que passam a considerar inocente. É assim na vida real. Todo assassino é um espelho fiel da sociabilidade.
O Julgamento de Nuremberg levou à forca onze nazistas do primeiro escalão, nem por isso fez justiça, pois eles não eram os responsáveis pelo holocausto. Nem mesmo a ditadura militar que emergiu com o Golpe de 64, sempre a serviço do capital, pode ser condenada. Se houve responsável no caso brasileiro --- e com certeza houve ---, foi toda a situação social que culminou com aquela repressão que nos levou forçosamente aos mais de vinte anos de ditadura, tortura e horror. Culpar, por exemplo, Sérgio Paranhos Fleury e Erasmo Dias, ou o II Exército, por tudo aquilo é raso e burro.
Não se trata de defender a censura e a tortura --- é óbvio, não? ---, mas sim de apontar o verdadeiro responsável. Culpar quem não tem culpa é o pior dos erros históricos e o maior dos crimes. Em 600 anos de Santa Inquisição, a Igreja mandou milhares para a fogueira, por considerá-los culpados de crimes que não cometeram. E não faz sentido condenar esta ou aquela individualidade, um determinado papa ou padre, por aquele genocídio, que foi muito maior e mais sanguinário que o holocausto.
“Mas é preciso dar exemplo”, dizem os mentores da Comissão Nacional da Verdade. Ou “punir esses canalhas, para que isso nunca mais se repita”, vi numa mensagem enviada hoje por um leitor. Ora, condenar individualidades, seja por crime comum ou mesmo por genocídio, não dá exemplo a ninguém, pelo contrário, é mau exemplo.
Além disso, condena inocentes e patrocina a vingança, este sim o mais insidioso dos crimes. Primeiro porque não repara nada, não leva a lugar nenhum, apenas sacia e satisfaz mentes tão doentias quanto. E, por fim, porque --- já vimos aqui, mas vale reiterar --- as vítimas da vingança são sempre uma ou mais individualidades que não passam de meros autores de um crime, nunca são o seu verdadeiro responsável ou mandante.
Está claro, portanto, que essa Comissão Nacional da Verdade é de fato da Mentira, jamais da Verdade. E já nasce criminosa, pois jamais condenará os verdadeiros culpados, no máximo inocentes. Isto, sim, é passível de punição, se o que se busca é justiça. Principalmente porque a justiça, no Estado de Direito, especialmente no Brasil, nunca faz justiça de fato, na sua voracidade em culpar e punir individualidades, nunca culpados reais.
Mas, como? Então, todos esses assassinos, de Hitler a Suzana Richthofen, são inimputáveis? Quer dizer que qualquer um pode sair por aí matando, ninguém vai ter culpa de nada? Não é bem assim. A mesma sociabilidade que urde o caráter e a personalidade, transformando muitos em monstros assassinos, não tem outra saída senão isolá-los, pois eles podem continuar cometendo os mesmos crimes, e em série.
Mas todos os tidos como criminosos derivam da sociabilidade em que são ungidos e não respondem pelos crimes que cometem, embora estejam envolvidos, como parte ativa, na sua ação criminosa. Jesus pensava assim, por isso, acolhia os proscritos, as prostitutas etc., tanto que invadiu o templo e destruiu tudo por não aceitar a situação. E jamais culpou qualquer individualidade: “Perdoai-os, eles não sabem o que fazem”.
Esta inocência do executor do crime é fácil de demonstrar. O sujeito já nasce geneticamente fragilizado, em razão de um passado de muitas dificuldades experimentado pelos seus antepassados, ao longo de toda sua vida pregressa, resultado da difícil adaptação à sociabilidade e da dura luta pela sobrevivência de toda sua linhagem. Frágil assim, ele é jogado na mesma sociabilidade, agora mais hostil que a enfrentada pelos seus antepassados.
No seu dia a dia, vai sendo submetido, desde que nasce, a abusos de todos os tipos, desde os sexuais até passar fome e não ter onde dormir. E assim vai erguendo o seu caráter, a sua personalidade. Como geralmente, dada a sua fragilidade, não reúne forças para enfrentar a batalha da vida que aí está, ele vai sucumbindo lentamente, até que --- no limite, em casos extremos --- começa a esmolar ou envereda pelas drogas e passa a roubar e matar.
Se vier de uma família com posses e tiver sido submetido também a abusos, poderá um dia matar o pai e a mãe porque estes não lhe queriam dar mais dinheiro para comprar drogas (Suzana Hichthofen). Ou, se vier de família pobre, poderá, em meio à sua crônica ignorância (alienação), transformar-se no padrasto que espetou o bebê com agulhas, em ritual macabro que prometia livrá-lo de todas as agruras da vida.
Suzana Richthofen não pediu para nascer, não escolheu o DNA que herdou, não pediu para crescer no seio de uma família de classe média alta em que tinha tudo de mão beijada, não pediu para ter os pais que teve, não escolheu viver num mundo frio e sem graça, em que tudo se banaliza, em que todos se tornam insensíveis e em que a droga proporciona os mais variados tipos de fuga (de viagem) e vicia, muitas vezes sem retorno.
No dia em que os pais faltaram com o dinheiro, impedindo-os provavelmente de se abastecer de drogas, o namorado, o irmão e Suzana os mataram em outro ritual macabro. Na sociabilidade em que vivemos, nada do que é humano deve surpreender, especialmente a barbárie da criminalidade e do narcotráfico, incursões como a do terrorismo ou movimentos como o MST. 

 Tom Capri.












Um comentário:

Atualizações via email disse...

DENÚNCIA: SÍTIO CALDEIRÃO, O ARAGUAIA DO CEARÁ – UMA HISTÓRIA QUE NINGUÉM CONHECE PORQUE JAMAIS FOI CONTADA...




"As Vítimas do Massacre do Sítio Caldeirão
têm direito inalienável à Verdade, Memória,
História e Justiça!" Otoniel Ajala Dourado




O MASSACRE APAGADO DOS LIVROS DE HISTÓRIA


No município de CRATO, interior do CEARÁ, BRASIL, houve um crime idêntico ao do “Araguaia”, foi o MASSACRE praticado por forças do Exército e da Polícia Militar do Ceará em 10.05.1937, contra a comunidade de camponeses católicos do Sítio da Santa Cruz do Deserto ou Sítio Caldeirão, que tinha como líder religioso o beato "JOSÉ LOURENÇO", paraibano de Pilões de Dentro, seguidor do padre Cícero Romão Batista, encarados como “socialistas periculosos”.



O CRIME DE LESA HUMANIDADE


O crime iniciou-se com um bombardeio aéreo, e depois, no solo, os militares usando armas diversas, como metralhadoras, fuzis, revólveres, pistolas, facas e facões, assassinaram na “MATA CAVALOS”, SERRA DO CRUZEIRO, mulheres, crianças, adolescentes, idosos, doentes e todo o ser vivo que estivesse ao alcance de suas armas, agindo como juízes e algozes. Meses após, JOSÉ GERALDO DA CRUZ, ex-prefeito de Juazeiro do Norte, encontrou num local da Chapada do Araripe, 16 crânios de crianças.


A AÇÃO CIVIL PÚBLICA AJUIZADA PELA SOS DIREITOS HUMANOS


Como o crime praticado pelo Exército e pela Polícia Militar do Ceará É de LESA HUMANIDADE / GENOCÍDIO é IMPRESCRITÍVEL pela legislação brasileira e pelos Acordos e Convenções internacionais, por isto a SOS - DIREITOS HUMANOS, ONG com sede em Fortaleza - CE, ajuizou em 2008 uma Ação Civil Pública na Justiça Federal contra a União Federal e o Estado do Ceará, requerendo que: a) seja informada a localização da COVA COLETIVA, b) sejam os restos mortais exumados e identificados através de DNA e enterrados com dignidade, c) os documentos do massacre sejam liberados para o público e o crime seja incluído nos livros de história, d) os descendentes das vítimas e sobreviventes sejam indenizados no valor de R$500 mil reais, e) outros pedidos



A EXTINÇÃO SEM JULGAMENTO DE MÉRITO DA AÇÃO


A Ação Civil Pública foi distribuída para o Juiz substituto da 1ª Vara Federal em Fortaleza/CE e depois, redistribuída para a 16ª Vara Federal em Juazeiro do Norte/CE, e lá foi extinta sem julgamento do mérito em 16.09.2009.



AS RAZÕES DO RECURSO DA SOS DIREITOS HUMANOS PERANTE O TRF5


A SOS DIREITOS HUMANOS apelou para o Tribunal Regional da 5ª Região em Recife/PE, argumentando que: a) não há prescrição porque o massacre do Sítio Caldeirão é um crime de LESA HUMANIDADE, b) os restos mortais das vítimas do Sítio Caldeirão não desapareceram da Chapada do Araripe a exemplo da família do CZAR ROMANOV, que foi morta no ano de 1918 e a ossada encontrada nos anos de 1991 e 2007;



A SOS DIREITOS HUMANOS DENUNCIA O BRASIL PERANTE A OEA


A SOS DIREITOS HUMANOS, igualmente aos familiares das vítimas da GUERRILHA DO ARAGUAIA, denunciou no ano de 2009, o governo brasileiro na Organização dos Estados Americanos – OEA, pelo desaparecimento forçado de 1000 pessoas do Sítio Caldeirão.


QUEM PODE ENCONTRAR A COVA COLETIVA


A “URCA” e a “UFC” com seu RADAR DE PENETRAÇÃO NO SOLO (GPR) podem encontrar a cova coletiva, e por que não a procuram? Serão os fósseis de peixes procurados no "Geopark Araripe" mais importantes que os restos mortais das vítimas do SÍTIO CALDEIRÃO?



A COMISSÃO DA VERDADE


A SOS DIREITOS HUMANOS deseja apoio técnico para encontrar a COVA COLETIVA, e que o internauta divulgue esta notícia em seu blog, e a envie para seus representantes na Câmara municipal, Assembléia Legislativa, Câmara e Senado Federal, solicitando um pronunciamento exigindo do Governo Federal que informe o local da COVA COLETIVA das vítimas do Sítio Caldeirão.



Paz e Solidariedade,



Dr. OTONIEL AJALA DOURADO
OAB/CE 9288 – 55 85 8613.1197
Presidente da SOS - DIREITOS HUMANOS
Membro da CDAA da OAB/CE
www.sosdireitoshumanos.org.br